top of page
  • Foto do escritorCarlos Pedroso

O Mito do Clube dos 27

Será que o mito do Clube dos 27 continua a perdurar ou será que tudo não passa de uma série de coincidências que moldam o destino dos músicos? Essa é uma das perguntas que o Clube dos 27 nos deixa, um intrigante quadrinho que nos brinda com mais enigmas do que respostas a respeito da mitologia que envolve músicos amaldiçoados.


Clube dos 27 se revela como um quadrinho acessível mesmo para aqueles que não são ávidos leitores de quadrinhos. Com uma temática que é popular entre os amantes da música, a narrativa é envolvente e presta uma sincera homenagem àqueles que tornaram a música o centro de suas vidas. Os talentosos Isaque Sagara e Wes Oliveira conseguem estabelecer uma harmonia perfeita entre o roteiro e a arte, criando uma história que, embora já conhecida, se enriquece com detalhes fictícios e realistas. Por exemplo, a extensa lista de músicos que faleceram aos 27 anos é impressionante, e é intrigante saber que o primeiro membro desse clube pode ter sido brasileiro. Nesse universo, tudo parece plausível, mesmo quando sabemos que não é. Com uma narrativa que oscila entre elementos de terror, mistério e, é claro, muita música, o quadrinho ganha substância graças ao seu enredo envolvente.


O que mais aprecio ao ler quadrinhos desse tipo, pelo menos pessoalmente, é a possibilidade de imaginar como seria encontrar os meus ídolos, aqueles artistas que marcaram a trilha sonora da minha vida. Neste trabalho, essa imaginação é habilmente representada por meio de um personagem central que move todas as peças no tabuleiro, um jovem obcecado pelo Clube dos 27 e que também atinge a marca dos 27 anos. Esse personagem desempenha um papel fundamental na história e, à medida que a trama se desenrola, somos brindados com uma compreensão mais profunda desse clube amaldiçoado. As conversas dos personagens sobre suas próprias vidas são habilmente desenvolvidas e acrescentam uma riqueza à mitologia em torno do mito.

É importante destacar o árduo trabalho de pesquisa que embasa a criação deste quadrinho. É evidente o esforço dos autores em oferecer uma narrativa fundamentada no assunto, o que é algo que sempre merece reconhecimento. O roteiro e a arte são excepcionalmente bem trabalhados e se ajustam perfeitamente à atmosfera da história, proporcionando uma experiência de leitura verdadeiramente prazerosa.


Como um fã dos principais membros do Clube dos 27, diverti-me imensamente lendo este quadrinho e apreciei estar presente em mais uma homenagem a esses músicos extraordinários e muitas vezes controversos. Também é importante mencionar o excelente trabalho de edição realizado pelas editoras UB e Trem Fantasma, que deixaram uma marca de qualidade indiscutível.


Se você é fã de histórias com personagens cativantes, pode se aventurar na leitura deste quadrinho sem receios. E aí, já teve a oportunidade de ler esta obra? Compartilhe sua opinião nos comentários!


Gostou do nosso conteúdo? Que tal apoiar o Yellow Talk? O Yellow também é podcast, e seu apoio pode ajudar o nosso trabalho a crescer cada vez mais. A partir de R$2,00 você já vai estar contribuindo para manutenção do nosso programa. Para dar o seu apoio, basta clicar AQUI.

27 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

OBLIVION

bottom of page