top of page
  • Foto do escritorQuadrinhos Diários

Esqueça o Nerdola e vá ver "As Marvels"!

No dia 09 de novembro, estreou “As Marvels” aqui no Brasil, mais novo filme do MCU, dirigido por Nia DaCosta (A Lenda de Candyman), que tem como protagonistas a Capitã Marvel (Brie Larson), Ms. Marvel (Iman Vellani) e Monica Rambeau (Teyonah Parris). E, se posso dizer uma coisa para você, é que o filme me surpreendeu bem.


Fui esperando um “Homem Formiga e Vespa: Quantunmania” e acabei vendo um daqueles filmes da Fase Dois do MCU, que eram mais descompromissados, mas sempre trazia algum elemento para a grande saga que estava vindo aí. E é exatamente o que esse filme faz.


Ele diverte, te arranca gargalhadas, é uma boa aventura de herói, e traz uma equipe, que, sendo sincero, é a melhor equipe Pós-Ultimato.


E após ver o filme com minha esposa, me divertir, depois de uma boa sessão de cinema e uma noite ótima, fiquei me perguntando o porquê de tanto hate gratuito a esse filme. Nem precisei ir a fundo nas redes sociais e logo encontrei os mesmos motivos: “lacração”, “cultura woke”, “A Marvel não sabe mais fazer filmes de heróis” e por aí vai.


E os comentários, na maioria das vezes, sempre são do mesmo estereótipo: marmanjos de mais de 40 anos, que não aceitam que os quadrinhos evoluíram e querem que as personagens femininas sejam extremamente sexualizadas e apagadas.

E nossa, como isso me irrita!



Importante ressaltar que: eu entendo e concordo com as críticas ao atual MCU. Essa coisa de ter que ver um monte de outras coisas para assistir outras, cansam. Tirando outros fatores como uma falta de um “norte” e conexões realmente importantes para a “Saga do Multiverso” na totalidade.


Mas as pessoas nem sequer se prestaram a ver o filme, e as desculpas sempre são as mesmas que estão ali acima, tudo porque têm mulheres e o Nerdola não aguenta ver mulheres (que ironia né?).


E uma coisa é certa sobre As Marvels: o protagonismo das 3 é uma das melhores coisas do filme. Até a Brie Larson, que não curti no Capitã Marvel, está melhor para mim neste filme do que no seu antecessor.


E claro, destaque total para Iman Vellani, perfeita para o papel!

Se a crítica tivesse sido feita ao filme, seja por alguns cortes que estão bem explícitos, ou pela vilã completamente apagada, eu entenderia. Mas não é o caso. E, vamos combinar uma coisa: torcer para fracasso de filme, é ser muito fracassado!


Claro que como todo gênero, o gênero dos heróis no cinema está acabando. Mas estar lá, torcendo para dar errado, independente do filme, no final das contas, quem se ferra somos quem gostamos do gênero nos quadrinhos.


Que vai lá no cinema e torce para ser adaptado seu arco de quadrinhos favorito, ou sua saga. Esse comentário, não é um apoio a produções ruins, mas apenas um comentário, de que seu hate gratuito, só te prejudicará.


Então, vá ver o filme se você quiser e não deixe se levar por opinião de ninguém. Se você não quiser ver o filme, tudo bem também. Só não entre da ideia de gente que não venceu na vida.


Gostou do nosso conteúdo? Que tal apoiar o Yellow Talk? O Yellow também é podcast, e seu apoio pode ajudar o nosso trabalho a crescer cada vez mais. A partir de R$2,00 você já vai estar contribuindo para manutenção do nosso programa. Para dar o seu apoio, basta clicar AQUI.

41 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page