top of page
  • Foto do escritorCarlos Pedroso

Avengers Twilight #1: Um começo interessante

Avengers Twilight #1 apresenta uma visão distópica do futuro do universo Marvel, explorando temas interessantes de maneira oportuna, embora, infelizmente, seja prejudicada por uma escrita por vezes truncada. A nova minissérie, escrita por Chip Zdarsky e ilustrada por Daniel Acuña, mergulha em um mundo onde os Vingadores enfrentaram desafios, tanto como super-heróis quanto como modelos para a sociedade. Embora a trama inicialmente aborde temas fascinantes, como desinformação e a transição muitas vezes desafiadora de uma geração para a próxima, a narrativa eventualmente se concentra na introdução de um vilão e uma ameaça que só os Vingadores podem deter.



O enredo distópico, embora não seja uma novidade no gênero de super-heróis, destaca-se ao retratar um futuro no qual não apenas os heróis falharam, mas a sociedade também perdeu a confiança neles. O primeiro problema estabelece que, antes dos eventos da série, os Vingadores não conseguiram impedir um ataque liderado por Ultron, resultando na perda de muitos heróis, incluindo o Homem-Aranha. Após esses eventos, os Vingadores e outros heróis foram desacreditados e gradualmente marginalizados pela sociedade.


O foco do primeiro problema recai sobre Steve Rogers, agora envelhecido e desprovido de seus poderes, enquanto ele navega por essa nova realidade. A representação de Zdarsky de Rogers como um herói idoso, mas resiliente, frustrado por seus fracassos passados, é uma abordagem interessante e bem executada. Acuña também entrega uma representação visual convincente de Rogers, destacando a determinação do personagem em vez de retratá-lo como um homem idoso frágil.


Enquanto a exploração de Rogers é envolvente, o quadrinho poderia ter aprimorado a visualização da distopia apresentada. Embora seja uma escolha deliberada destacar o controle dos manipuladores das sombras por meio de leis fascistas e desinformação midiática, o primeiro problema poderia ter beneficiado de uma abordagem visual mais marcante para ilustrar a gravidade do futuro apresentado.


Um aspecto particularmente cativante do quadrinho é a representação de Rogers como um herói idoso, mas não menos corajoso, que enfrenta constantes lembretes de suas falhas passadas. Zdarsky consegue transmitir efetivamente a insatisfação de Rogers com o estado do mundo, combinando bem o diálogo e a narrativa visual.


Embora a série tenha suas qualidades, o ponto mais fraco é talvez a revelação nas últimas páginas, onde Rogers é informado sobre o conglomerado sombrio que controla a sociedade. A transição parece um pouco conveniente, mas isso não tira o brilho da trajetória de Rogers, que é rapidamente revigorado pelo Soro do Supersoldado. A imagem final de um Capitão América mais robusto e em forma pode parecer um pouco apressada, mas destaca o renascimento do herói para enfrentar uma ameaça personificada pelo filho de seus amigos.


Histórias distópicas sobre o futuro têm um impacto quando oferecem uma reflexão sobre os males presentes na sociedade ou exploram as verdades fundamentais de seus heróis por meio das tramas. Embora Avengers: Twilight busque alcançar ambos os objetivos, há espaço para aprimoramento, especialmente na criação de um gancho visual mais marcante. No entanto, acreditamos que este quadrinho tem potencial, com uma equipe criativa capaz de desenvolver uma narrativa envolvente de super-heróis. O primeiro problema, embora não seja um começo imponente, abre as portas para uma série limitada que pode florescer com o desenvolvimento subsequente.


E aí, vocês estão empolgados com esse novo lançamento? Comentem aí!


Gostou do nosso conteúdo? Que tal apoiar o Yellow Talk? O Yellow também é podcast, e seu apoio pode ajudar o nosso trabalho a crescer cada vez mais. A partir de R$2,00 você já vai estar contribuindo para manutenção do nosso programa. Para dar o seu apoio, basta clicar AQUI.


Fonte: COMICBOOK

53 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page